7 fatores decisivos que definirão o uso de automóveis no futuro

Como o uso de carros — em termos mais gerais, a “mobilidade” — será em 2030? Observamos alguns fatores que podem influenciar a posse de um veículo, o compartilhamento de veículos e a promessa improvável de veículos autônomos. Além disso, quais efeitos duradouros o COVID-19 terá na mobilidade do futuro?

Mobilidade definida pela autonomia dos veículos

A ideia de veículos autônomos atiçou a imaginação de muitas pessoas: Eles adorariam ter um motorista digital para poder fazer outras coisas durante o deslocamento.

Faça uma pausa e pesquise na internet sobre “dormir enquanto dirige.” Sua pesquisa provavelmente revelará muitos artigos e até vídeos. Então, é compreensível que muitos consumidores pensem que veículos autônomos já são uma realidade e em breve serão muito mais difundidos.

Os nomes de recursos nos carros atuais não ajudam: por exemplo “Piloto Automático” e “Capacidade de Condução Autônoma Total” são, citando o manual da montadora, “…destinados ao uso com um motorista totalmente atento, com as mãos ao volante e preparado para assumir o comando a qualquer momento.”

Em outras palavras, os carros nos artigos sobre “dormir enquanto dirige” possuem Autonomia Veicular Nível 3: condução autônoma limitada em ambientes com baixa complexidade, tais como rodovias. Eles não possuem Nível 4 (condução autônoma total em certas condições) ou Nível 5 (condução autônoma total em todas as condições: o veículo não possui volante).

Os desafios técnicos para veículos de condução autônoma total Nível 5 são bastante conhecidos. O maior desafio é a capacidade de ver com precisão todos os arredores e obstáculos relevantes — inclusive sob condições adversas das vias ou climáticas — e reagir de forma segura.

Mas também há grandes desafios sociais/regulamentares, como a definição de “reações seguras e razoáveis.” Amnon Shashua, CEO da Mobileye, observa que carros autônomos precisam fazer um equilíbrio entre segurança e utilidade: “Eu posso ter segurança se não dirigir ou se dirigir muito devagar,” ele disse, “mas assim não tenho utilidade e a sociedade não vai desejar esses veículos nas ruas.”

No entanto, veículos autônomos estão sendo lançados lentamente, mas não da forma como consumidores estavam pensando. Veículos de nível 4 ou 5 são muito caros atualmente — sua economia pode ser mais facilmente justificada se o veículo autônomo substitui a parte mais dispendiosa da condução: motoristas profissionais.

A Waymo está fazendo transportes de pessoas em veículos e entregas em vans sem motoristas em áreas limitadas (com controle geográfico) no Arizona, que geralmente não sofre com intempéries. A Volkswagen Group, a Mobileye da Intel e a Champion Motors anunciaram planos de comercializar a Mobilidade como serviço (MaaS) com veículos elétricos autônomos (“robô-taxis”) em Israel até 2022. Israel (também com clima ensolarado) é um país pequeno que torna mais viável a criação de mapas altamente detalhados exigidos pelos veículos autônomos.

O que os consumidores podem esperar (e apreciar) na autonomia veicular nos próximos 5 anos? Muitos motoristas experimentarão os Sistemas Avançados de Assistência ao Condutor, recursos dos Níveis 1 e 2 de Autonomia dos Veículos, como freios de emergência automáticos, controle de cruzeiro "inteligente" e assistência na manutenção de faixas. Conforme declarado por Amnon Shashua da Mobileye, “Alguns reguladores de segurança pelo mundo já começaram a incluir a tecnologia de Nível 1 e Nível 2 como pré-requisito para que um veículo obtenha uma classificação de segurança 4 ou 5 estrelas.”

Mas ninguém pode dizer com certeza quando o Nível 5, o máximo em autonomia veicular, será disponibilizado amplamente para robô-taxis e, mais adiante, para veículos particulares de luxo.
Mobilidade definida pela autonomia dos veículos

Mobilidade definida por faixa etária

Adolescentes e jovens adultos possuem opiniões radicalmente diferentes das gerações anteriores sobre a posse de veículos: relutam em arcar com os custos de aquisição e manutenção de automóveis e raramente são incapazes de pagar o seguro veicular necessário. Muitos destes potenciais condutores não estão nem tirando carteiras de habilitação.

Estes jovens usuários de mobilidade costumam se contentar com caronas, compartilhamento de carros, alugam carros por períodos curtos quando necessário, usam transporte público, ou — talvez o método favorito — usam transporte individual sempre que possível: patinetes elétricas, skates, bicicletas, etc.
Mobilidade definida por faixa etária

Mobilidade definida por cidades grandes

Na maioria das grandes metrópoles, ter um carro pode ser um grande problema. Estacionar é essencial e estacionamentos pagos geralmente custam mais do que todos os outros gastos relacionados ao veículo. A poluição atmosférica e os engarrafamentos tornam as cidades insuportáveis durante os horários de pico e os governos estão deliberando mais restrições a carros. Ao mesmo tempo, estão aumentando os corredores apenas para pedestres (ou ruas reservadas apenas para pedestres, ônibus e veículos de serviço). As “tarifas dinâmicas” — cobrança para a entrada de veículos em áreas de alta densidade durante determinados horários — estão crescendo conforme grandes metrópoles monitoram cuidadosamente a implementação desses programas em outras cidades.

Como uma alternativa a carros particulares, a mobilidade tradicional sem propriedade de carro (ônibus, trens, metrô, carros de serviço) precisará expandir e aprimorar a sua conectividade.
Por exemplo, cidades estão olhando para fazer os motoristas de aplicativo/táxi agregar seus passageiros, desta forma, ao invés de quatro motoristas da Uber na mesma rua, cada um com um passageiro, o software agrega obrigatoriamente os passageiros em um mesmo veículo Uber para levar quatro pessoas a destinos adjacentes.
Mobilidade definida por cidades grandes

Mobilidade definida pelos trajetos

Obviamente, quanto mais uma pessoa dirige longas distâncias, mais propensa ela estará de adquirir (ou arrendar) um veículo ao invés de usar um compartilhado. Conforme os veículos elétricos a bateria (BEVs) aumentam a capacidade de distância, reduzem os tempos de carregamento e devem alcançar preços equiparados a veículos com motor de combustão interna até 2025, os condutores de longas distâncias devem optar cada vez mais por arrendar veículos elétricos. (Atualmente, o arrendamento de BEVs pode ser mais atraente do que a aquisição por conta da vida útil limitada da bateria.)

Os consumidores estão aprendendo rapidamente as vantagens dos BEVs em relação aos veículos de combustão interna: custos reduzidos de manutenção, de combustível, excelente controle e aceleração inclusive em modelos econômicos, não emite gases e possibilita uma mobilidade isenta de emissões de carbono (quando carregado com eletricidade de fontes renováveis). Quando famílias possuem carros elétricos e de combustão interna, há uma preferência em usar o BEV 70% das vezes contra 30% do veículo de combustão interna.
Mobilidade definida pelos trajetos

Mobilidade definida por desejos pessoais

“Todos querem dirigir o seu próprio carro” foi, especialmente nos Estados Unidos, um mantra desde que Henry Ford lançou o Model T em 1908. Mas isso claramente não é mais o caso.

Além da frequência de condução e das logísticas de deslocamento, outros fatores que influenciam a escolha de possuir ou compartilhar um carro (incluindo corridas compartilhadas ou solicitadas) incluem:

  • Disponibilidade e conveniência de carros compartilhados.
  • Limpeza de carros compartilhados.
  • Opinião pessoal: O seu carro é um parecer sobre você com acessórios adequados? Ou você é uma pessoa que "basta fazer o trajeto do ponto A ao B"?

Por fim, as circunstâncias das pessoas mudam. Uma pessoa obstinada e entusiasta de carros pode sentir uma mudança de estilo de vida — uma mudança, uma deficiência ou um desejo de viver de forma mais simples — e reconsiderar uma questão principal: Eu quero um carro ou apenas a mobilidade fornecida pelo carro?

Mobilidade definida por desejos pessoais

Mobilidade definida por governos

Muitas coisas sobre a próxima década da mobilidade não podem ser previstas com exatidão, mas algumas coisas parecem ser indiscutíveis:

  • Segurança: Veículos, particularmente carros, ficarão cada vez mais seguros conforme governos nacionais e agências internacionais aumentam persistentemente as normas de segurança. E porque não? Projetistas de carros provaram estar à altura do desafio conforme as suas ferramentas de trabalho, tais como simuladores de acidentes, ficaram ainda mais potentes e precisos. E mesmo a Autonomia Veicular Nível 5 difundida provavelmente nunca vai anular a necessidade (ou desejo) de projetos veiculares inerentemente mais seguros, com sistemas passivos de segurança considerados uma redundância fundamental em sistemas de segurança ativos de veículos autônomos.
  • Redução do peso: A redução da emissão de gases ou aumento da capacidade de distância/eficiência de BEVs continuará exigindo materiais automotivos leves, mas resistentes.
  • Sustentabilidade: As formas de determinar o CO2 incorporado em materiais automotivos será padronizado em breve pela União Europeia, tornando as Avaliações do Ciclo de Vida (ACV) entre similares a norma para a indústria automotiva. Governos devem incentivar ou penalizar montadoras de automóveis e/ou compradores neste sentido.

A competição entre montadoras de automóveis será definida pelos projetos de carros com menor aplicação de CO2. Compradores de automóveis utilizarão etiquetas nas janelas e websites para determinar o CO2 total incorporado em cada carro. Fabricantes de materiais automotivos precisarão “descarbonizar” (reduzir o CO2 incorporado) em seus materiais ou sofrer as consequências mercadológicas. Os fornecedores mais espertos vão inovar e prosperar ao trabalhar mais estreitamente com fabricantes de carros.

Mobilidade definida por governos

Mobilidade definida por COVID-19

Muitos acreditam que a COVID-19 é o evento global mais significativo da história. (Embora a gripe espanhola em 1918 tenha atingido muitos países com uma mortandade enorme, o mundo era muito menos interconectado do que atualmente.) O que as pandemias como a COVID-19 significam, a longo prazo, para a indústria da mobilidade?

  • Muitas pessoas continuarão trabalhando remotamente a partir de suas casas?
  • As pessoas vão evitar transportes públicos e usar mais carros ou transportes individuais (tais como patinetes elétricos)?
  • O interior de carros compartilhados será projetado para uma higienização mais rápida e simples? As superfícies serão fabricadas com materiais antivirais?
  • Os sistemas HVAC com classificação HEPA fornecerão "ar individual" para cada passageiro, tanto em carros, ônibus, trens e aviões? Eles vão incluir uma operação de nebulização desinfetante entre o uso de cada passageiro?
  • Motoristas de aplicativo/táxis vão exigir medir a sua temperatura antes que você possa entrar em seus veículos? Você também precisará usar máscara e luvas? Por sua vez, os condutores precisarão provar que o veículo foi higienizado antes da sua entrada?
  • Ônibus, trens, carros, aviões, etc. terão novas divisórias para manter as pessoas afastadas?
  • Novos aplicativos informarão quantos passageiros estão no próximo ônibus, trem, metrô, etc.?
  • Viagens e trajetos livres voltarão aos níveis anteriores a COVID-19 enquanto houver epidemias ativas em qualquer lugar do mundo?

E finalmente, a COVID-19 continuará afetando as vendas de carros pelo tempo necessário para descobrir e aplicar tratamentos, vacinas e/ou testes de anticorpos eficazes — ou até que países apliquem práticas de distanciamento social (e físico) altamente eficazes em combinação com testes e acompanhamento.

Mas, a longo prazo, a COVID-19 e outras pandemias respiratórias futuras podem acabar acelerando a transição da mobilidade para alternativas ao motor de combustão interna. Com uma parte significativa da população mundial passando por essas doenças com sistemas respiratórios comprometidos, governos vão projetar pacotes de estímulo econômico incluindo a promoção de meios de transporte não poluentes. O movimento “Electrify Everything” vai ganhar força e provar ser muito eficiente em termos energéticos e extremamente viável agora, utilizando tecnologias existentes em novas combinações interessantes, tais como capacidades de micro-redes e vehicle-to-grid (V2G).

O mundo nunca mais será o mesmo após a COVID-19 – e devemos definitivamente fazer disso uma oportunidade positiva.


Mobilidade definida por COVID-19

Fique atualizado com o boletim informativo Automotive Insights

Inscreva-se para receber gratuitamente o nosso boletim informativo mensal Automotive Insights com artigos relevantes e detalhados sobre questões que afetam o seu negócio e convites para os nossos webinars.

Prepare as suas avaliações do ciclo de vida para o futuro

As avaliações do ciclo de vida automotivo conduzem nossos processos de preparação para o futuro à medida que descarbonizamos a produção de nossos aços avançados de alta resistência para automóveis.
180